Este site utiliza cookies. Ao continuar neste site autoriza a sua utilização e concorda com a Política de Privacidade e com a Política para os cookies.
Escola de Magia
Login e aceder à área de aluno
ou
Matricular-se na Escola de Magia
MENU
Entrada > Átrio principal > Átrio > Biblioteca > Textos dos Alunos



Diante das Águas - O medo, a culpa e o ódio. A A A A

Quando Clara olha para onde Rafael estava, ele tinha sumido. Ela ficou um pouco surpresa por não vê-lo, então ela leva Hugo até uma praça que tinha perto da escola para conversar com ele e cuidar de seus machucados. —Clara eu preciso lhe revelar uma coisa! Disse Hugo.
—O que aconteceu com você? Eu fiquei muito preocupada, pensei que você estivesse morto. Você desapareceu, por onde esteve?
—Naquele dia em que lhe levei para praia de Kennedy, eu tive como objetivo lhe revelar um segredo, mas não pude. Agora vou lhe contar, peço que você não se assuste.
—O que é Hugo?
—Me prometa que vai continuar gostando de mim?
—Claro, mas me conta logo. Está me deixando nervosa!
—Eu...
—Você o quê?
—Eu... Eu sou... Eu sou uma sereia! –Dizia Hugo abaixando a cabeça. —O quê? Você o quê? Perguntou Clara.
—Eu sou uma sereia.
—Impossível! Como isso pode acontecer? Isso não é real!
—Clara eu preciso que você acredite em mim.
—Por que está fazendo isso?
—Você me prometeu que continuaria gostando de mim, disse Hugo.
—E gosto, mas... Não precisa inventar histórias.
—Não estou inventando. É verdade!
—Hugo eu vou embora.
—Não vai, por favor.
—Hugo você foi o único garoto que eu me interessei durante todo o tempo da minha vida aqui em Capela. Agora vejo que você é igual aos outros garotos mentirosos. Adeus Hugo!
Clara com lágrimas escorrendo pelo seu rosto, sai dali correndo para evitar a tristeza que estava sentindo em seu coração. Hugo fica sem reação olhando para ela indo embora. Assim que anoiteceu Clara estava em seu quarto lendo um livro. Então a porta de seu quarto bate; era Rafael. —Clara? Disse ele.
—Entre Rafael.
—Oi! Estava passando por aqui e resolvi ver como você está. Sua mãe me mandou subi, algum problema?
—Não, eu estou bem sim. Rafael hoje eu e Hugo estávamos conversando e ele mentiu para mim!
—Ele falou o quê?
—Um absurdo! Mas prefiro não dizer.
—Ah... Mas então... Você brigou com ele?
—Provavelmente ele não vai querer me ver. Eu disse que ele era igual aos outros garotos mentirosos daqui!
—Você ainda gosta dele?
—Eu o amo, mas não posso viver com mentiras. Se antes de nós namorarmos ele já mentiu, imagine quando estivermos. Não quero mais vê-lo.
—Ele estuda no mesmo colégio que você, vai ser meio difícil não acha?
—Se for preciso eu mudo de colégio!
—Se mudar... Sentirei sua falta.
—Eu também... Bom eu irei dormir agora, se você quiser vir aqui amanhã, será bem-vindo.
—Vai passar o Sábado em casa?
—É, vou sim, eu quero apreciar cada momento da minha vida no meu quarto.
—Vai ficar aqui para sempre?
—Fica quieto Rafael, eu quis dizer que eu quero curti os meus momentos, só isso, entendeu? Agora tchau, nos vemos outro dia, disse ela sorrindo.
—Tchau.
Clara e Rafael se despedem rindo. Ela vai fechar a porta de seu quarto, quando ela virou, se deparou com um garoto; Hugo, ele estava olhando para ela pela janela. Clara leva um grande susto, então ela abre sua janela e fala com ele cheia de arrogância e frieza. —O que faz aqui? Perguntou ela.
—Eu quero conversar com você!
—Eu não quero mais falar com você!
—Clara, por favor, me escute?

ALESSANDRO - AM      

Este artigo já foi lido 906 vezes



Lista de artigos publicados pelos alunos    Biblioteca