Este site utiliza cookies. Ao continuar neste site autoriza a sua utilização e concorda com a Política de Privacidade e com a Política para os cookies.
Escola de Magia
Login e aceder à área de aluno
ou
Matricular-se na Escola de Magia
MENU
Entrada > Átrio principal > Átrio > Biblioteca > Textos dos Alunos



Diante das Águas - O medo, a culpa e o ódio. A A A A

Clara disse que não queria mais falar com ele, ela já foi fechando a janela de seu quarto, mas Hugo naquele momento põe o pé na janela e a impede de fechá-la. Assim que ele pediu para Clara ouvi-lo, ele a beija. Eles ficam um tempo se beijando. Era um beijo tão profundo e intenso que só de olhar dava para sentir a paixão de vós. Eles foram parando de se beijar de pouco em pouco; bem lentamente, e ficaram com suas cabeças encostadas uma na outra. —Eu... Eu nunca fiz isso antes. –Dizia Hugo de olhos fechados. —Por que fez isso Hugo?
—Eu queria saber como é beijar.
—Não devia ter feito isso!
—Clara amanhã vá à praia de Kennedy. Eu irei lhe esperar lá!
—Hugo eu... Eu não...
Hugo vai embora descendo pela árvore que tem em frente à casa de Clara, deixando-a sem resposta. Ela olha ele descer da árvore e entra para se deitar. Em uma rua próxima a casa de Clara estava Rafael. Ele viu Hugo saindo do quarto de Clara. Ele fira a cabeça para o outro lado da rua e fica com uma olhar de ódio, mas vai embora sem que Hugo perceba. Na manhã seguinte Clara se levanta bem cedo e sai de casa sem tomar seu café da manhã. Ela foi a caminho de Kennedy. Chegando a Kennedy ela vai até a praia e avista Hugo de costas para ela olhando para o mar. - Olhe Clara, mas não se assuste, disse Hugo.
Então ele começou a caminhar a caminho das águas. Antes que ele encostasse às águas do mar, estas tiveram certa reação; começaram a flutuar e rodear seus pés. Quando ele se vira e olha para os olhos de Clara, ele se joga no mar. Clara fica olhando para aquilo que estava acontecendo e ficou sem ação, então Hugo se levanta das águas com um grande salto e suas pernas tinham desaparecido; no lugar delas havia uma grande calda. Uma calda brilhante e linda. Naquele momento Clara cai no chão bastante sustada com sua boca aberta. Ela não estava acreditando no que estava vendo, então Hugo cai nas águas e levanta sua cabeça para conversar com ela. —Venha aqui Clara. Não tenha medo, disse ele.

ALESSANDRO - AM      

Este artigo já foi lido 939 vezes



Lista de artigos publicados pelos alunos    Biblioteca