Este site utiliza cookies. Ao continuar neste site autoriza a sua utilização e concorda com a Política de Privacidade e com a Política para os cookies.
Escola de Magia
Login e aceder à área de aluno
ou
Matricular-se na Escola de Magia
MENU
Entrada > Átrio principal > Átrio > Biblioteca > Textos dos Alunos



Diante das Águas - O medo, a culpa e o ódio. A A A A

Clara e Hugo ficam rindo depois do que ele disse, e então eles ficaram se conhecendo mais e mais ali naquela praia. Olhando aquela praia parecia que fosse só deles; não havia mais ninguém a não ser eles ali. A praia era deserta e cheia de mistérios. Clara sentia-se a garota mais feliz do mundo por estar com Hugo ao seu lado e Hugo se sentia inseguro por estar com ela; com medo que acontecesse alguma coisa de ruim com Clara. Não teria como dizer que os dois se odeiam. Clara continuou a fazer perguntas sobre as sereias; para Hugo. —Hugo é verdade que todas as sereias hipnotizam os homens com seu canto e os levam para o mar, e eles acabam morrendo? Perguntou Clara.
—Clara isso é mito! –Dizia Hugo rindo dela. —Então as sereias não cantam para hipnotizar? Perguntou ela.
—Não! Nós cantamos, mas igual a vocês!
—Então não tem hipnotismo?
—Na verdade tem! Nós hipnotizamos mulheres e as mulheres os homens, mas hipnotizamos pelo olhar, nas palavras e principalmente pelo sopro.
—Nossa... Isso é muito estranho!
—Fica tranqüila que eu não soprei em você!
—Eu acredito em você! –Respondeu ela sorrindo. —Acho que o Pablo ia soprar em você aquele dia! Disse Hugo.
—Antes de você aparecer, ele estava abrindo boca! Será que ele ia fazer isso mesmo?
—Com certeza Clara! Ele é um garoto muito ruim.
—Espero não ficar sozinha com nenhuma sereia!
—Eu acho melhor você sair correndo daqui Clara, porque você está perto de uma! –Dizia Hugo brincando com ela. —Sem que seja você Hugo! –Disse ela sorrindo. —Mas pode ficar calma Clara, nem todas as sereias fazem isso; quem faz essas coisas são apenas as sereias que usam seus poderes para praticar o mal. Eles matam as pessoas inocentes, eles hipnotizam; faz o que bem quiser com as pessoas e depois desaparecem com elas; essas pessoas nunca mais aparecem! Disse Hugo.
—Eu tenho medo.
—Eu irei lhe proteger Clara. Eu prometo!
Ela o abraça com o medo que estava sentindo, e ele sorri ao sentir o seu abraço. — O que vocês comem? Perguntou ela.
—Algas, peixes... Só nos alimentamos com seres do mar!
—Vocês comem comida japonesa sem pagar nada. –Disse ela rindo e ele também rir por causa da brincadeira dele. —Clara eu não queria lhe contar, mas preciso dizer para você! Disse ele.
—O que foi Hugo?
—Algumas pessoas de Capela já desapareceram!
—Como assim?
—Eu já vi alguns pais procurando por seus filhos.
—Eu nunca reparei isso, disse ela.
—Olhe em sua volta quando formos para Capela.
—Então vamos embora, por favor.
Eles se levantam e vão para Capela. Chegando à casa de Clara, ela liga a televisão, põe em um canal de noticias e vê uma reportagem que falava de algumas garotas e de alguns garotos que andaram desaparecidos nas seguintes cidades: Capela, Campos, Fernando de Noronha, Novo Horizonte e São Paulo. E os pais desses jovens andam completamente desesperados procurando por seus filhos. —Viu Clara? As pessoas têm que tomar todo cuidado do mundo por aqui! Disse Hugo.

ALESSANDRO - A.M      

Este artigo já foi lido 1118 vezes



Lista de artigos publicados pelos alunos    Biblioteca