Este site utiliza cookies. Ao continuar neste site autoriza a sua utilização e concorda com a Política de Privacidade e com a Política para os cookies.
Escola de Magia
Login e aceder à área de aluno
ou
Matricular-se na Escola de Magia
MENU
Entrada > Átrio principal > Átrio > Biblioteca > Textos dos Alunos



Diante das Águas - O medo, a culpa e o ódio. A A A A

Em um campo de futebol próximo ao bairro onde Clara mora estava jogando um grupo de jovens. Eles estavam praticando o jogo de futebol normalmente, quando um deles chuta a bola para uma distância longa. A bola foi parar no meio de um lugar com muitas plantas. Um desses jovens decidiu ir buscar a bola. Assim que esse jovem chega lá no lugar onde a bola estava, ele vê uma linda garota com a bola em suas mãos. Ele se sentiu inseguro de falar com ela, mas por ela ser bonita ele resolveu falar com ela. —Oi, disse o jovem.
—Olá. Essa bola é sua?
—É sim! Você pode me entregar, por favor?
—Entrego sim, mas só se você chegar mais perto de mim! Disse a garota misteriosa.
Assim que esse jovem chegou perto dessa garota, ela pergunta a ele “se ele quer a bola?” E pede um beijo dele. Depois que esse jovem a beijou; da boca dessa garota sai uma fumaça azul que no exato momento entra nos ouvidos desse jovem, e então ela começa a levá-lo para a praia de Kennedy. As pessoas olhavam para eles, mas achavam que eram simples namorados; ele estava totalmente alucinado por ela. Chegando à praia de Kennedy, ela o chama para água e ele vai andando em direção a ela. Os dois foram ficando cada vez mais longe da terra da praia, eles andaram até não poder mais vê-los. Naquele dia de domingo, mais um jovem desapareceu na cidade de Capela. Na casa de Clara, Hugo tinha ido embora e ela ligou para Tatiana para saber de Rafael, porque ele estava sumido por um tempo e ela sentiu falta dele. —Alô Tatiana. –Disse Clara por telefone. —Oi Clara, tudo bem com você? Disse Tatiana.
—Estou bem sim e você?
—Estou ótima!
—Você tem visto o Rafael?
—Não Clara.
—Eu não o vejo desde sexta-feira! Sabe onde ele deve estar?
—Não, eu não sei onde é a casa dele, se eu soubesse iria lá para vê-lo.
—Será que ele vai para a escola amanhã?
—Não sei, mas acho que sim.
—Bom, então nos vemos amanhã!
—Tchau Clara.

ALESSANDRO - A.M      

Este artigo já foi lido 1088 vezes



Lista de artigos publicados pelos alunos    Biblioteca