Este site utiliza cookies. Ao continuar neste site autoriza a sua utilização e concorda com a Política de Privacidade e com a Política para os cookies.
Escola de Magia
Login e aceder à área de aluno
ou
Matricular-se na Escola de Magia
MENU
Entrada > Átrio principal > Átrio > Biblioteca > Textos dos Alunos



Diante das Águas - O medo, a culpa e o ódio. A A A A

No dia seguinte quando tinha acabado de chover, Rafael estava sentado no banco de uma praça em algum bairro da cidade de Capela, ele estava pensando em Clara, e ao passar um curto tempo chega Michael e avista Rafael sentado, então ele anda em direção a ele e começa a lhe fazer perguntas e dá suas opiniões; que não são nada boas. —Rafael o que faz aqui? Perguntou Michael.
—Nada, só pensando na vida!
—Vida ou uma garota chamada Clara?
—De onde você tirou isso Michael?
—Rafael não precisa mentir para mim.
—Mentir?
—Eu sei que você é completamente apaixonado pela Clara, eu percebi isso desde o dia que vocês se conheceram; quando era apenas eu, Tatiana, Fabiana e a Clara; éramos amigos-irmãos, então você apareceu e eu percebi que você se apaixonou por ela. Eu sempre torço por você, ficar com ela, mas parece que ela só lhe ver como um amigo.
—Como você pôde perceber isso?
—Pelo seu olhar, quando você olha para ela; dá para ver o seu amor por ela!
—Nossa. Então todos já sabem?
—Não! Só eu percebi isso. Fabiana e Tatiana parecem que andam sempre no mundo da lua. –Dizia Michael rindo junto com Rafael. —Bom, já que você sabe o que eu sinto pela Clara, posso falar livremente com você sobre isso? Disse Rafael.
—Claro.
—Eu sempre quis ficar com ela sabe? Mas parece que ela só me ver como amigo.
—Eu nunca gostei do namorado dela! Esse tal de Hugo é muito misterioso e muito estranho.
—Eu acho que vou desistir de tentar conquista-la, ela já está até namorando. Eu irei mudar de cidade! Disse Rafael.
—Você está louco? Não faça isso, você vai ficar aqui em Capela e vai continuar tentando conquistar a Clara. Você não pode desistir assim.
—Mas você sabe que ela só me ver como um amigo!
—Eu sei, mas faça o possível para ela passar a lhe amar!
—Como?
—Não sei ainda, mas irei fazer alguma coisa, só vou descobrir o que é!
—Por que você se preocupa tanto com isso?
—Rafael você é meu amigo! O que você quer eu irei lhe ajudar para conseguir. Amigos fazem isso.
—Eu acho que não vai adiantar nada eu continuar tentando conquistar a Clara.
—Por que não? Não vejo nenhum obstáculo, disse Michael.
—Ela está namorando com o Hugo, e parece está muito apaixonada e feliz com ele!
—Ah... Então você vai desistir dela, por causa de um garoto que entrou na escola para roubar o seu lugar? Você vai deixar?
—Ela o escolheu, não eu.
—Tira ele de perto.
—O que você está querendo dizer?
—Faça com o que ele suma. Dê um sumiço nele.
—Eu não posso matá-lo! Disse Rafael.
—Quem falou em matar? Só disso um sumiço!
—Eu não posso fazer isso Michael!
—Pode sim! Se precisar de ajuda...
—Pára por ai Michael, eu não sou um bandido. –Disse Rafael respondendo-o se levantando do banco que estava sentado, com a voz alterada e cortando a fala de Michael. —Eu sei que você não é um bandido, mas você não pode deixar um garoto roubar sua garota! Disse Michael.
—Tem razão. Eu não posso deixar isso continuar como está. Eu tenho que separar a Clara do Hugo!
—Exatamente. Você tem que pegar sua garota de volta!
—É isso que vou fazer!
—É assim que se fala Rafael. Só fiquei surpreso quando você deu parabéns para Clara, quando ela disse que estava namorando com o Hugo!
—Eu já tinha desistido dela Michael!
—Ah... Entendo, mas agora você terá que conquistá-la.
—Eu vou conquistá-la!

ALESSANDRO - A.M      

Este artigo já foi lido 945 vezes



Lista de artigos publicados pelos alunos    Biblioteca