Este site utiliza cookies. Ao continuar neste site autoriza a sua utilização e concorda com a Política de Privacidade e com a Política para os cookies.
Escola de Magia
Login e aceder à área de aluno
ou
Matricular-se na Escola de Magia
MENU
Entrada > Átrio principal > Átrio > Biblioteca > Textos dos Alunos



Diante das Águas - O medo, a culpa e o ódio. A A A A

Clara e Hugo ficam em silêncio por um tempo. Ela olha para ele e pensa que “Quase todas as perguntas que ela faz para ele, ele distorce o assunto”; isso a irritava. Mas também não tinha como ficar com raiva, realmente é ruim de mais, alguém ficar sem resposta. —Hugo... Posso lhe fazer uma pergunta? Perguntou Clara.
—Pode Clara.
—Por que quando eu faço perguntas em relação às pessoas que eu conheço você não responde?
—Eu respondo sim!
—Não, não responde não!
—É que... Eu...
—Viu Hugo, nem todas as minhas perguntas você responde ou então não sabe responder.
—É que existem coisas que é melhor você não saber Clara.
Naquele momento Clara se senti fria, mas ela não fala nada com Hugo sobre isso. Então ela fala que vai dormir e Hugo fica sentado a admirá-la. Em uma outra cidade tinha uma festa bastante agitada, havia parque de diversão e barracas de doces, salgados entre muitas outras. Havia também duas garotas; uma chamada Carla e a outra Julia. Carla tinha gostado de um garoto que também estava nessa festa; ele ficava olhando para ela e ela para ele, Julia fica surpresa em vê Carla paquerando um garoto (Afinal no dia-a-dia ela é bastante quieta e tímida). Então Julia fala para Carla ir lá falar com aquele garoto, ela se nega ir, mas sua amiga insiste e ela acaba indo, mas com a condição de Julia ir junto. Quando as duas chegaram lá ele dá um beijo na mão de Carla e se apresenta. —Olá garotas, me chamo João.
—Eu me chamo Julia e essa é minha amiga Carla.
—Seu nome é lindo, Carla, disse ele.
—Obrigada. –Disse Carla sorrindo. —Eu percebi que você e minha amiga andam se olhando por um bom tempo, disse Julia.
—É eu me encantei com a beleza dela, disse ele.
—Bem... Eu os deixarei a sós, mas vê se não some Carla. –Dizia Julia se retirando dali. —Tudo bem Julia, disse Carla.
—Então Carla, o que você acha se nós saíssemos daqui e fossemos para um lugar mais reservado para nós conversamos? Disse João.
—Acho melhor não, eu acabei de lhe conhecer. Vamos ficar por aqui mesmo, eu acho melhor!
—Como quiser, mas não irei desistir de sair para outro lugar com você!
—Quem sabe um dia...
—Você é muito linda sabia? –Perguntou João, impedindo-a de falar. —Obrigada, você também é! Disse ela.
—A minha vontade é de beijar você agora! Disse ele.
—Mas você não vai fazer isso, acabamos de nos conhecer e...
Naquele momento João dá um beijo em Carla que chega a machucá-la, ela o empurra e manda-o ficar longe dela, e ela vai ficar do lado de sua amiga; sua boca estava sangrando. Ele fiou a encarando todo o tempo, Carla começa a ficar com medo de João. —O que foi Carla? Está sangrando! Disse Julia.
—Ele é muito estranho! Disse ela.
—Como assim? Ele é lindo!
—Ele queria me levar para outro lugar!
—O quê?
—Eu disse que não queria ir, e ele já foi me beijando que chegou a me machucar.
—Nossa que monstro.
—Por isso vou ficar aqui com você.
—Então fica aqui e joga esse jogo comigo!
—Julia... Acho melhor nós irmos embora.
—Por quê?
—Ele está olhando muito para mim!
—Tudo bem... Vamos sim, só me deixa terminar esse jogo aqui.

ALESSANDRO - A.M      

Este artigo já foi lido 984 vezes



Lista de artigos publicados pelos alunos    Biblioteca